Redes sociais

Olá, o que está procurando?

Pipoca

8 filmes da “onda John Wick”

De heróis da Marvel a um Papai Noel viking, vários filmes vieram na esteira do sucesso de “John Wick”.

Na próxima quinta-feira (23), estreia “John Wick 4: Baba Yaga”. Essa é a terceira sequência envolvendo o personagem, cujo universo reserva ainda, para breve, dois spin-offs: “Ballerina”, filme estrelado pela Ana De Armas, com direção de Len Wiseman, e “The Continental”, minissérie prequel com Colin Woodell e Mel Gibson.

Criação do roteirista Derek Kolstad, “John Wick” é um caso interessante dentro do cinemão hollywoodiano. É possível estabelecer uma linha de antes e depois do sucesso do primeiro longa-metragem no modo como alguns filmes de ação recentes foram feitos.

Lançado em 2014, o filme foi comandado pela dupla Chad Stahelski e David Leitch, dois diretores de dublês. Ao partir da premissa de um ex-matador “imparável” que volta ao jogo quando seu cachorro de estimação é assassinado pelo filho de um gangster, os dois fugiram dos clichês de câmeras tremidas e cortes rápidos populares à época e entregaram sequências de ação mais claras, cruas, em que o espectador tem tempo para apreciar a violência em tela.

Imagem: Lions Gate

Isso não é novidade para quem acompanha o cinema de ação de fora dos Estados Unidos, principalmente o asiático. “John Wick”, em estilo, pega muito do que era feito em produções policiais com artes marciais de Hong Kong nos anos 1980 (pense em filmes dirigidos por Jackie Chan, John Woo, Sammo Hung, dentre outros), e está bem em linha com a “Trilogia da Vingança” do coreano Park Chan-wook (principalmente “Oldboy”, de 2003).

Mas para o cenário norte-americano, foi um sopro de ar fresco. Que deu muito certo. As produções, com orçamentos modestos, viram um crescimento de bilheteria a cada novo capítulo lançado nas telonas. E na esteira desse sucesso, começou uma “onda John Wick”.

Não é uma onda oficial, claro. Porém, nos últimos tempos, além das continuações com Keanu Reeves, uma porção de filmes que seguem essas mesmas batidas de roteiro ou execução viram a luz do dia. A maioria tem o dedo dos diretores. Alguns são excelentes, outros nem tanto. Contudo, todos têm muito estilo. Dá pra encarar uma maratona depois de conferir “Baba Yaga”:

Deadpool

(Tim Miller, 2016)

Imagem: Fox Film

Primeira aventura com o anti-herói para maiores da Marvel quando a Fox ainda não havia sido adquirida pela Disney. Além de todas as gags humorísticas e piadas de quebra da quarta parede, o filme apresenta mais uma porção de sequências de ação ultraviolenta que enchem os olhos.

Atômica

(Atomic Blonde, David Leitch, 2017)

Imagem: Universal Pictures

É sacrilégio afirmar que “Atômica” é ainda melhor que todos os “John Wick”? David Leitch faz aqui seu primeiro filme solo, onde Charlize Theron encarna uma espiã nos últimos dias antes da queda do muro de Berlim. O segmento com ela brigando num prédio é deslumbrante.

Deadpool 2

(David Leitch, 2018)

Imagem: Fox Film

Filme seguinte do Leitch, que dá sequência às aventuras do Deadpool. Honestamente: não há uma história de verdade aqui, mas a rodagem inteira vale pelas várias cenas absurdas, principalmente as que envolvem a mutante Domino (Zazie Beetz).

Aves de Rapina

(Birds of Prey, Cathy Yan, 2020)

Imagem: Warner Bros. Pictures

O “solo não oficial” da Arlequina tem a participação do Chad Stahelski, que dirige algumas das sequências de ação adicionadas em refilmagens, o que é perceptível quando o reassistimos com essa informação. As cenas de violência exagerada, principalmente no segmento do parque de diversões, são bem a cara do diretor. “Aves de Rapina” é um filme bem injustiçado. Certamente vale ser redescoberto.

Anônimo

(Nobody, Ilya Naishuller, 2021)

Imagem: Universal Pictures

“Anônimo” é tão “John Wick” que literalmente tem o David Leitch na produção. Na trama, Bob Odenkirk vive um pai de família que tem a casa invadida por bandidos armados. Seus parentes passam a vê-lo como um fracassado por ter permitido que isso acontecesse. Por um conjunto de motivos, ele entra numa espiral de violência, e mostra que, por trás daquela faixada de cara normal, há alguém muito perigoso.

Pig

(Michael Sarnoski, 2021)

Imagem: Neon

Nicolas Cage defende que esse, junto com “Despedida em Las Vegas” (1995) e “Vivendo no Limite” (1999), é um de seus melhores filmes. As semelhanças com “John Wick” se limitam ao tipo de premissa: quando o protagonista tem sua porca de estimação roubada à mando de um ricaço, ele embarca numa aventura para recuperá-la. Essa aventura envolve um submundo esquisito de cozinheiros e criminalidade, mas nunca chega à violência tão explícita. Particularmente, acho que o roteiro nunca engata de verdade, mas a interpretação de Cage vende o pacote todo.

Passado Violento

(Clean, Paul Solet, 2022)

Imagem: IFC Films

Nesse, um lixeiro (Adrien Brody com um visual hipster) atrai a atenção de bandidos de uma cidade quando salva uma garota de violentadores. Da lista, é o menos divertido. Porém, também tem bastante estilo.

Noite Infeliz

(Violent Night, Tommy Wirkola, 2022)

Imagem: Universal Pictures

“O John Wick agora é o Papai Noel!” Outro produzido pelo David Leitch. Nesse novo clássico natalino, David Harbour é um Papai Noel viking que já não enxerga mais a magia da data nessa geração. Só que, quando uma mansão onde ele está em uma entrega de presentes no momento é invadida por uma equipe de bandidos (liderada pelo John Leguizamo, que parece se divertir muito no papel), o bom velhinho precisa recorrer aos seus instintos mais selvagens para salvar uma menininha refém que ainda acredita nele.

Deixe um comentário

Esse conteúdo só foi possível graças aos nossos apoiadores:

Vicente Rodrigues Ramos
Gledson Santana
Rafael Colucci fransozo
Anderson Pires
Marcelo GIacomini Bonato
Daniel Freire da Silva
Marcel Cras
Clever Luiz Cellura dos Santos
Calebe de Freitas Chilelli
Marcos Antonio Pereira Junior
Edvin Markstein Zimmermann
Felipe Anderson Beltran
Fábio Marques
Álvaro Augusto Santos Santana
Mario Vinicius
Gabriel dos Santos de Medeiros
Thiago Luiz Torquato
Pedro Rafahel Lobato
Fagner Souza dos Santos
Felipe Gomes Rocha
Cristiano Neri de Souza Reis
Thiago Silva Dragao
David Fernandes Santos
Bruno José da Silva
Thamiris Alves
Andre Catrocchio
Anderson Da Rosa
Daniel Cortes
Jonathan Faustino de Andrade
Guilherme Machado Nunes
Leo Claudino
João Victor Teixeira da Silva
Eidy Tasaka
Gabriel Ishida
Deivide Eduardo Paula Barroso
Anderson Luiz Pires do Amaral
Bernardo Coelho Avila Freitas
Thiago Oliveira
Saulo Monteiro
Thomas Trento
Giuzão Chagas - Tokucast
Valter Oliveira Rebouças
Claylson Mario
Fernando Perazzoli
Daniel Martins
Camilla Xavier de Oliveira
Marcelo Saldanha
Rafael dos Santos Ribeiro
Sergio Oliveira
José Carlos Alves
Clayson Mario Pereira da Silva
Lucas Vieira
Rodolfo do Espirito Santo Viana
Douglas Barroso de Oliveira
Marcos Castro
Caio Vinicius Pellegrini
Luiz Valença
Pedro Eugênio de Oliveira Rabite
Fabricio Fabro
Douglas Bridi Rosa


Advertisement

Veja também

© 2022 Supersoda | Todas as imagens são marcas registradas dos seus respectivos proprietários.