Redes sociais

Olá, o que está procurando?

Colunas

Crítica | Besouro Azul

Simpático e cheio de coração, “Besouro Azul” é um filme melhor do que o que há de pior no cinema de heróis, mas pior do que o que há de melhor.

Situação hipotética elaborada para fins ilustrativos: imagine que o fast food de rede da esquina, no qual você frequentemente compra um combo de hambúrguer com fritas e refrigerante para aquela noite preguiçosa de domingo, vinha vacilando na receita há um tempo. Nunca foi um sanduiche gourmet nem nada, mas, recentemente, a carne parece sem tanto gosto, ou molho meio insosso, ou as batatas mais gordurosas que crocantes, ou o refrigerante de máquina aguado demais.

Porém, continua o frequentando. Afinal, é o lanche rápido e cheio de ultraprocessados que satisfaz a vontade. E mesmo que saiba que outros lugares podem entregar um prato mais elaborado, até mesmo mais nutritivo, você gosta daquele sabor artificial. Até que, um dia, esses problemas são sanados e o combo volta a ser tão gostoso quanto pode ser. Inevitavelmente, fica a dúvida: aquilo está realmente bom ou só parece bom porque, antes, estava ruim?

Essa lógica pode ser aplicada em “Besouro Azul”. O filme dirigido por Angel Manuel Soto e estrelado por Xolo Maridueña (de “Cobra Kai”) e Bruna Marquezine (de “Mulheres Apaixonadas”) é bastante divertido, tem sequencias de ação muito bacanas, personagens carismáticos e consegue preencher todas as “obrigatoriedades” de uma origem de herói sem se levar tão a sério.

O problema é o contexto atual do cinemão hollywoodiano. Filmes de herói, junto de outros que se apoiam em alguma propriedade intelectual extensa, se tornaram o pilar da cultura pop no início da década passada. De modo que, nos últimos meses, foram vários longa-metragens chegando às salas que apelaram para fórmulas bem parecidas entre si.

Imagem: Warner Bros.

No quintal da DC na Warner, o histórico recente é triste: “Adão Negro”, “Shazam! Fúria dos Deuses” e “Flash”. Além de encalhes na bilheteria, os três longas testam a paciência do espectador com roteiros fracos, direções esquisitas e efeitos visuais inapropriados para seus orçamentos milionários.

Talvez por isso “Besouro Azul” consiga se destacar positivamente. É uma aventura cheia de coração, bem amarrada, que costura fantasia e ficção-científica num tom colorido e energético. E com efeitos visuais bacanas, diferente de seus predecessores.

Na trama, basicamente calcada na terceira geração do personagem relatada nos gibis Novos 52, acompanhamos o jovem Jamie Reyes, um graduado em Direito que retorna para a casa de sua família em Palmera City com mais dívidas do que esperanças de um grande futuro. As coisas parecem ter chances de melhora quando ele cruza com Jenny Kord, que lhe promete uma oportunidade de emprego nas empresas Kord após o garoto “salvá-la” numa situação.

No dia da entrevista de emprego, calha de Jaime ter em mãos um artefato alienígena que vinha sendo estudado por Victoria (Susan Sarandon), CEO malvada da Kord, como meio de criar um exército de destruição em massa. O artefato, um escaravelho azul, se liga ao corpo de Jaime, que se torna uma espécie de ciborgue ultrapoderoso. E como consequência, o moleque ganha um alvo nas costas, que coloca sua família em perigo por conta da ambição de Victoria.

Imagem: Warner Bros.

Não é uma história original. Há elementos estéticos presentes nos filmes de “Homem de Ferro”, “Homem-Aranha” e “Venom”, como a aparência do traje, a visão computadorizada do protagonista e a voz em sua cabeça.

E a direção de Angel Manuel Soto passa longe de sutilezas: Susan Sarandon age como uma vilã dos Looney Tunes, a família de Jaime se comporta como um estereótipo de mexicanos exagerados vistos pelo estadunidense médio (o que é estranho, já que o diretor é porto-riquenho).

Mas há um entusiasmo que extrapola os defeitos e paga a experiência toda. O casal formado por Xolo e Bruna possui química em tela. A irmã de Jaime, Milagros (Belissa Escobedo), e seu tio, Rudy (George Lopez), são alívios cômicos escritos sem medo de irem a fundo no ridículo. E o roteiro reserva uma porção de momentos de pura bobagem adolescente que deixam o clima bem mais agradável do que outras tentativas nos já mencionados predecessores.

Minha piada predileta é sobre como sai um gás de uma nave em forma de besouro. Porém, as duas que despertaram risadas mais fortes da plateia na sessão em que assisti foram sobre a voz do besouro alertando Jaime de que uma quantidade anormal de sangue estava se concentrando em parte de seu corpo, e uma com sua avó (Adriana Barraza) dizendo que ele era igual a quando criança depois de usar o traje do besouro pela primeira vez.

Imagem: Warner Bros.

Só que fast food não é prato gourmet, e por mais que “Besouro Azul” seja um bom acerto após uma sequência de filmes terríveis da DC, é impossível não compará-lo, por exemplo, com a despedida agridoce de James Gunn em “Guardiões da Galáxia Vol. 3” ou com o desbunde animado de “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso”, pérolas desse ano dentro do “gênero” de herói.

Filme bem legal em comparação ao que de pior já saiu, mas mediano em relação aos melhores. Só o tempo dirá se ele ficará ou não na memória.

Deixe um comentário

Esse conteúdo só foi possível graças aos nossos apoiadores:

Vicente Rodrigues Ramos
Gledson Santana
Rafael Colucci fransozo
Anderson Pires
Marcelo GIacomini Bonato
Daniel Freire da Silva
Marcel Cras
Clever Luiz Cellura dos Santos
Calebe de Freitas Chilelli
Marcos Antonio Pereira Junior
Edvin Markstein Zimmermann
Felipe Anderson Beltran
Fábio Marques
Álvaro Augusto Santos Santana
Mario Vinicius
Gabriel dos Santos de Medeiros
Thiago Luiz Torquato
Pedro Rafahel Lobato
Fagner Souza dos Santos
Felipe Gomes Rocha
Cristiano Neri de Souza Reis
Thiago Silva Dragao
David Fernandes Santos
Bruno José da Silva
Thamiris Alves
Andre Catrocchio
Anderson Da Rosa
Daniel Cortes
Jonathan Faustino de Andrade
Guilherme Machado Nunes
Leo Claudino
João Victor Teixeira da Silva
Eidy Tasaka
Gabriel Ishida
Deivide Eduardo Paula Barroso
Anderson Luiz Pires do Amaral
Bernardo Coelho Avila Freitas
Thiago Oliveira
Saulo Monteiro
Thomas Trento
Giuzão Chagas - Tokucast
Valter Oliveira Rebouças
Claylson Mario
Fernando Perazzoli
Daniel Martins
Camilla Xavier de Oliveira
Marcelo Saldanha
Rafael dos Santos Ribeiro
Sergio Oliveira
José Carlos Alves
Clayson Mario Pereira da Silva
Lucas Vieira
Rodolfo do Espirito Santo Viana
Douglas Barroso de Oliveira
Marcos Castro
Caio Vinicius Pellegrini
Luiz Valença
Pedro Eugênio de Oliveira Rabite
Fabricio Fabro
Douglas Bridi Rosa


Advertisement

Veja também

© 2022 Supersoda | Todas as imagens são marcas registradas dos seus respectivos proprietários.