Redes sociais

Olá, o que está procurando?

Colunas

Crítica | Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania

Já no catálogo do Disney+, terceira aventura com Paul Rudd é uma ótima oportunidade para observar o quão estéril um filme da Marvel pode ser.

Recentemente, “Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania” foi adicionado ao catálogo do Disney+ aqui do Brasil. Se não tiver visto nos cinemas, não deixe essa oportunidade passar agora.

Não por o filme ser bom. Ele passa bem longe disso. Mas para conferir como a Marvel Studios, antes uma casa de ideias e produções pipoca de alto nível, conseguiu aprovar um longa-metragem tão estéril de criatividade.

Na trama, após os eventos em “Vingadores: Ultimato”, Scott Lang (Paul Rudd) segue como o Homem-Formiga dentro de uma “família formiga”, composta pelas Vespas Hope (Evangeline Lilly) e Janet (Michelle Pfeiffer), pelo Homem-Formiga original Hank Pym (Michael Douglas), e pela Cassie Lang (Kathryn Newton), filha de Scott, que utiliza um traje parecido com o do pai.

Os problemas começam quando Cassie revela para a família que construiu um aparelho para se comunicar com o Reino Quântico, um universo abaixo do universo normal, onde Janet passou anos presa. Quando a menina coloca a máquina para funcionar, a família é sugada para o Reino Quântico.

Por lá, eles se envolvem em uma guerra civil entre moradores locais e alguém chamado Kang (o ótimo Jonathan Majors, que fez o que pôde com o roteiro), uma ameaça interdimensional, que está preso ali e tem um envolvimento passado com Janet. A família, então, precisa derrotar o vilão, salvar o Reino Quântico e impedir a saída de Kang para que ele não destrua o multiverso.

“Quantumania” não é um filme cansativo. É uma aventura rápida, com cenas divertidas e um visual que joga elementos de “Star Wars”, “Star Trek”, “Doctor Who” e “Perdidos no Espaço” num liquidificador. Há muito do vilão Darth Vader em Kang. E rola uma homenagem ao “Uma Nova Esperança” em uma cena de bar.

O problema é todo o resto.

Imagem: Marvel

Produções da Marvel para as telonas seguem rendendo rios de dinheiro e funcionando como um pilar para a cultura pop atual. A qualidade de lançamentos recentes, contudo, é discutível. Destaco dois pontos que me são evidentes nessa queda:

O primeiro é que, após a união do universo narrativo cinematográfico com as séries originais para a Disney+ a partir de “WandaVision”, a maioria dos longas adquiriu um ar de serialização. Ele é causado por ocorrer um esforço em apresentar, de um jeito inorgânico, elementos e personagens nos filmes que, aparentemente, terão alguma importância em produções futuras, mas que não fazem tanta diferença dentro das histórias atuais.

No confuso “Pantera Negra: Wakanda Para Sempre”, por exemplo, é introduzida a personagem Riri Williams, que terá uma série própria em breve, mas cuja presença desencadeia um furo de roteiro que estraga toda a trama. No péssimo “Eternos”, o mesmo é feito com o Cavaleiro Negro, um cameo que não acrescenta nada ao enredo.

Em “Quantumania”, isso é reprisado com Kang. Prometido como o grande vilão de uma nova fase do MCU, aqui ele é rebaixado ao cara que apanha do Homem-Formiga (sem superforça) apenas para que, ao fim, descubramos que a ameaça agora é outra.

Imagem: Marvel

O segundo ponto é uma repetição de batidas de roteiro que tem contribuído para a impressão de que sempre assistimos ao mesmo filme e série, mas embalados em uma skin diferente. O que Riri Williams, America Chavez, Gaviã Arqueira, Yelena Belova, e agora a Cassie Lang, têm em comum? Ambas são personagens “nova geração” de outros já apresentados (Shuri, Doutor Estranho, Gavião Arqueiro, Viúva Negra e Homem-Formiga, respectivamente), mas com um verniz de juventude e genialidade para superarem seus antecessores.

Uma trama partir da capacidade da Cassie Lang em construir escondida um aparelho que faz algo que ninguém havia conseguido antes, mesmo ela sendo parte de uma família de grandes cientistas, já não causa mais surpresa, pois coisa parecida foi feita antes em “Wakanda Para Sempre”.

E aí, entram vários outros problemas que derrubam o filme num efeito dominó. Janet, que sabe o perigo do Kang, passa um pedaço enorme da rodagem omitindo informações dos demais personagens sem qualquer motivo aparente. O vilão do primeiro filme é transformado em um personagem icônico dos gibis e tem uma piada quanto a sua aparência repetida vezes os suficiente para que ela perca a graça.

O gimick visual de brincar com escalas a partir dos poderes de encolher e crescer dos heróis, bem utilizado nos dois longas anteriores, é inexistente aqui. Um pedaço enorme da graça é limado por quase tudo em tela ser em cgi, o que dá uma impressão de assistirmos a um desenho animado de acabamento ruim.

Imagem: Marvel

E mesmo os poderes de Kang variam de intensidade conforme o roteiro deseja. O modo como ele é derrotado ao final não faz qualquer sentido. Assim como o próprio desfecho é um enorme balde de água fria anticlimático, com dois personagens sendo deixados para trás no Reino Quântico… mas só por alguns segundos. Não há consequência alguma para os personagens do filme, nem para o MCU num todo.

Como dito, “Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania” não é cansativo. Dá para acompanhar como forma de matar tempo. Só que é um tempo gasto com um filme de qualidade duvidosa, que representa o quão baixo pode ser o nível atual da Marvel Studios em questão de roteiro, direção, efeitos especiais e bom senso no cenário hollywoodiano.

E pensar que meses depois esse mesmo estúdio lançaria um dos melhores filmes de seu catálogo. Mas falaremos disso em breve…

Deixe um comentário

Esse conteúdo só foi possível graças aos nossos apoiadores:

Vicente Rodrigues Ramos
Gledson Santana
Rafael Colucci fransozo
Anderson Pires
Marcelo GIacomini Bonato
Daniel Freire da Silva
Marcel Crasnojan
Clever Luiz Cellura dos Santos
Calebe de Freitas Chilelli
Marcos Antonio Pereira Junior
Edvin Markstein Zimmermann
Felipe Anderson Beltran
Fábio Marques
Mario Vinicius
Gabriel dos Santos de Medeiros
Thiago Luiz Torquato
Pedro Rafahel Lobato
Fagner Souza dos Santos
Felipe Gomes Rocha
Cristiano Neri de Souza Reis
Thiago Silva Dragao
David Fernandes Santos
Bruno José da Silva
Andre Catrocchio
Anderson Da Rosa
Daniel Cortes
Guilherme Machado Nunes
João Victor Teixeira da Silva
Eidy Tasaka
Gabriel Ishida
Deivide Eduardo Paula Barroso
Anderson Luiz Pires do Amaral
Saulo Monteiro
Thomas Trento
Giuzão Chagas - Tokucast
Valter Oliveira Rebouças
Fernando Perazzoli
Daniel Martins
Marcelo Saldanha
Rafael dos Santos Ribeiro
Sergio Oliveira
José Carlos Alves
Clayson Mario Pereira da Silva
Lucas Vieira
Douglas Barroso de Oliveira
Marcos Castro
Caio Vinicius Pellegrini
Luiz Valença
Pedro Eugênio de Oliveira Rabite
Douglas Bridi Rosa
Michael Almeida da Franca Monteiro
Álvaro Augusto Santos Santana
Danilo Freire Da Silva
Lucas Schleier
Raphael Piccoli
Romario Sousa Costa Diniz
Paulo Fernando Fernandes de Oliveira Junior
Matheus Watanabe Glins
Lionel Freitas
Diego Ferraz


Advertisement

Veja também

X-Men ’97 é isso tudo mesmo? Fizemos uma análise da série, mostrando as referências aos quadrinhos e o que promete para a próxima temporada!...

Venha com a gente bater um papo sobre X-Men: The Animated Series! Para que esse projeto continue existindo e crescendo cada vez mais, considere...

Já assistiu ao novo filme do Pantera Negra? Então venha ver nossa opinião sobre esse novo sucesso da Marvel nos cinema. Participantes do episódio: Caio...

© 2022 Supersoda | Todas as imagens são marcas registradas dos seus respectivos proprietários.