Redes sociais

Olá, o que está procurando?

Pipoca

“Tudo Em Todo Lugar Ao Mesmo Tempo” reflete a cultura pop atual

Grande vencedor do Oscar de 2023, filme dos Daniels é uma radiografia da atualidade.

O Oscar coroou “Tudo Em Todo Lugar Ao Mesmo Tempo” como o grande filme de 2022. Recordista de prêmios antes mesmo da cerimônia ir ao ar, a ficção-científica dirigida pela dupla Daniel Kwan e Daniel Scheinert fechou a noite com sete estatuetas: Melhor Filme, Direção, Roteiro Original, Atriz Principal, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante e Montagem.

Não é pra menos. Premiações, listas de melhores do ano e coisas do tipo nos servem como uma radiografia de como é a cultura pop naquele momento. E o filme dos Daniels é, talvez, o melhor print da atualidade.

Imagem: Diamond Films

Salvas exceções, as maiores bilheterias do cinemão estão em aventuras da Marvel. Elas misturam otimismo, ação alternada por diálogos espertos e um maximalismo de elementos em tela. E há ainda o conceito de “multiverso”, onde versões diferentes de personagens podem ser apresentadas em diferentes cenários, como visto em “Vingadores: Ultimato”, “Homem-Aranha: Longe de Casa” e “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, “Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania” e nas séries de TV “WandaVision” e “Loki”.

Essa ideia de multiverso é também explorada em “Ricky e Morty”, um fenômeno do nicho de animações adultas, mas com um direcionamento mais pessimista. A Warner/DC, com o lançamento de “Flash”, também flertará com o tema nas telonas, de modo que ainda sobrará espaço em “elseworlds” para as sequências de “Coringa” e “Batman”.

Imagem: Diamond Films

“Tudo Em Todo Lugar Ao Mesmo Tempo” é o reflexo dessas ideias que têm dado certo, mas ampliadas por uma narrativa original, que utiliza tais elementos para construir o melhor filme possível. E cobre ainda outras carências históricas em produções num geral ao trazer uma protagonista feminina forte, um elenco mais diverso (a maioria dos personagens principais é interpretada por atores nascidos ou de ascendência de países asiáticos), e abordar um romance entre meninas. Em suma: é o filme perfeito para o momento perfeito.

Na trama, Evelyn Wang (Michelle Yeoh) é uma imigrante chinesa que precisa lidar com uma série de problemas. Sua lavanderia está à beira da falência, seu casamento vai de mal a pior, seu pai (James Hong) a enche de críticas, ela não consegue se conectar com sua filha (Stephanie Hsu), e tem na cola uma burocrata da receita federal sem muita paciência (Jamie Lee Curtis).

Quando sua família vai à uma reunião para resolver as pendências com o leão, algo estranho acontece: uma fenda no multiverso é aberta. Seu marido (Ke Huy Quan), meio covarde, é substituído por uma versão de uma realidade paralela, mais corajoso e com grandes habilidades em artes marciais. A partir disso, Evelyn entra em uma aventura contra um inimigo misterioso e esquisito, na qual explorará diferentes variantes de si mesma, a fim de salvar a todos ao redor.

A direção utiliza esse ponto de partida divertido para entregar um espetáculo visual, em que cenários deslumbrantes e figurinos criativos ampliam sequências virtuosas de ação, onde o cinema de kung-fu de Hong Kong das décadas de 1960, 70 e 80 deve ter servido como a maior inspiração. Mas isso é apenas o acompanhamento para que o roteiro desenvolva relações complexas dessa família e da Evelyn como um indivíduo. A jornada externa é uma parábola para a jornada interna da personagem.

Imagem: Diamond Films

Por atirar para diferentes lados, o longa exige um esforço primoroso do elenco. Principalmente de Michelle Yeoh e Ke Huy Quan. A dupla encarna a atuação aqui em diferentes fronts, passando pela fisicalidade das artes marciais, pelos registros de comédia e de drama. São vários personagens ao mesmo tempo, e cada um possui um toque de individualidade que o faz único na trama.

O resultado é um filmaço. Grandioso, exagerado, mas que não perde o pulso em momento algum. “Tudo Em Todo Lugar Ao Mesmo Tempo” é capaz de emocionar na mesma medida que arranca risadas, de impressionar pela qualidade da ação enquanto desenvolve reflexões internas. Artístico, muito artístico, mas com aquele pé no pop pipocão que é capaz de cativar plateias em diferentes lugares do mundo. É a tradução do momento em tela grande.

Claro, não é para todo mundo. Nenhum filme é. A montagem frenética e as sequências de ação podem soar muito aceleradas, de “videogame”, para espectadores que prefiram uma narrativa mais lenta. As ideias mais malucas (dedos de salsicha, os atos absurdos nas horas de se conectar com outros mundos, os figurinos e efeitos visuais) podem soar “cartunescas” demais para aqueles que curtem algo mais pé no chão.

As discussões em cima da vitória, quando não tendem a um lado racista, são boas e atestam o quão provocativo o filme consegue ser. É como se fosse a “velha guarda” contra o “progresso”. Que bom então que há filmes para todos os gostos disponíveis por aí.

Deixe um comentário

Esse conteúdo só foi possível graças aos nossos apoiadores:

Vicente Rodrigues Ramos
Gledson Santana
Rafael Colucci fransozo
Anderson Pires
Marcelo GIacomini Bonato
Daniel Freire da Silva
Marcel Cras
Clever Luiz Cellura dos Santos
Calebe de Freitas Chilelli
Marcos Antonio Pereira Junior
Edvin Markstein Zimmermann
Felipe Anderson Beltran
Fábio Marques
Álvaro Augusto Santos Santana
Mario Vinicius
Gabriel dos Santos de Medeiros
Thiago Luiz Torquato
Pedro Rafahel Lobato
Fagner Souza dos Santos
Felipe Gomes Rocha
Cristiano Neri de Souza Reis
Thiago Silva Dragao
David Fernandes Santos
Bruno José da Silva
Thamiris Alves
Andre Catrocchio
Anderson Da Rosa
Daniel Cortes
Jonathan Faustino de Andrade
Guilherme Machado Nunes
Leo Claudino
João Victor Teixeira da Silva
Eidy Tasaka
Gabriel Ishida
Deivide Eduardo Paula Barroso
Anderson Luiz Pires do Amaral
Bernardo Coelho Avila Freitas
Thiago Oliveira
Saulo Monteiro
Thomas Trento
Giuzão Chagas - Tokucast
Valter Oliveira Rebouças
Claylson Mario
Fernando Perazzoli
Daniel Martins
Camilla Xavier de Oliveira
Marcelo Saldanha
Rafael dos Santos Ribeiro
Sergio Oliveira
José Carlos Alves
Clayson Mario Pereira da Silva
Lucas Vieira
Rodolfo do Espirito Santo Viana
Douglas Barroso de Oliveira
Marcos Castro
Caio Vinicius Pellegrini
Luiz Valença
Pedro Eugênio de Oliveira Rabite
Fabricio Fabro
Douglas Bridi Rosa


Advertisement

Veja também

O filme dos Cavaleiros é tão ruim assim?Veja uma análise feita pelo Caio Hansen no primeiro vídeo do canal do Supersoda no YouTube. Compartilhe...

Filme sobre os bastidores de licenciamento do jogo é um thriller surpreendente e emocionante.

Chegou o dia de batermos um papo sobre uma das maiores adaptações de videogames para as telonas de todos os tempos! Vamos falar de...

© 2022 Supersoda | Todas as imagens são marcas registradas dos seus respectivos proprietários.